Terça-feira, 23 de Setembro de 2008

Os sapatos de Sammy Gitau

Sammy Gitau é uma coisa pouco frequente: um filantropo, um filósofo e um maestro que se fixa em cada mínimo detalhe da sua vida diária. O trabalho de Sammy, no duríssimo bairro de Mathare, em Nairobi, onde nasceu, baseia-se em dois infalíveis princípios: a generosidade e a amabilidade.

"Creio que o mundo está demasiado obcecado com os direitos humanos e esqueceu-se da dignidade humana. Oferecer sapatos é paternalista. Prefiro caminhar descalço do que ser humilhado dessa forma".

Isto ouviu-o um inglês chamado Alex Walford, que trabalha para a União Europeia e contribuiu de maneira fundamental para proporcionar a Sammy os quatro contentores que formam o Centro de Recursos Comunitários de Mathare, um dos quais Sammy utiliza como alojamento para si e para a família. Um dia, em 2005, Walford lembrou-se de lhe perguntar: "Sammy, que queres tu? Que gostarias de fazer por ti?". Sammy confessou o sonho que transportava no seu interior desde há oito anos, desde que tinha descoberto um folheto da Universidade de Manchester num caixote do lixo. Disse que o que mais queria era ir para a universidade fazer um curso de pós-graduação sobre o que tinha lido, desenvolvimento internacional.

Walford, claramente contagiado, em parte, pela fé louca de Sammy, contactou o catedrático que dirigia o curso em Manchester, um americano chamado Pete Mann. "Alguma vez pensou em aceitar uma inscrição de alguém que não tem nenhum título? Perguntou-lhe. "Já aconteceu", respondeu Mann. "E alguém que não fez o ensino secundário?". Mann deteve-se um instante e respondeu: "Conte-me mais".

Com a bênção entusiasta de Mann, obteve uma bolsa que não só cobria a matrícula como também os gastos de alojamento. "Todos os que tinham duvidado de mim em Mathare tiveram que engolir as suas palavras", recorda Sammy sorridente. "De repente, todo o mundo estava orgulhoso de mim".

No entanto, poucas semanas antes da data em que devia voar para Inglaterra, um burocrata meticuloso no consulado britânico de Nairobi bloqueou-lhe o seu pedido de visto. "Suponho que é compreensível, dado que, com as credenciais que tinha, àquele tipo devia  parecer-lhe mais provável que a minha verdadeira intenção era ir para Inglaterra trabalhar ilegalmente, mas deixou-me destroçado. E o pior foi que tinha falado com as pessoas Mathare. O meu sonho tinha-se convertido no sonho deles, e tinha-os decepcionado".

Walford aconselhou Sammy a não se dar por vencido sem lutar. Apelaram para um tribunal em Inglaterra que revogou a decisão do funcionário consular. Mas então surgiu outro obstáculo. A bolsa escolar continuaria válida, mas já não era possível cobrir os custos de alojamento de Sammy em Manchester. Walford tornou a empenhar-se e conseguiu que amigos e conhecidos seus se comprometessem a dar dinheiro e inclusive disse aos convidados da sua festa de aniversário que, em lugar de lhe darem um presente, fizessem dádivas para a causa de Sammy.

Trabalhou com uma dedicação quase fanática, desprezando os excessos borguistas de alguns dos seus companheiros e impulsionado pelo facto de saber que estava a lutar não só por ele mas também por um povo. Ao fim de 18 meses, não só obteve o título, com toda a cerimónia da toga e barrete, como um distinção pela sua tese de 16.000 palavras.

Isto foi em Dezembro do ano passado. Agora está de novo em Mathare, a lutar para melhorar as perspectivas dos jovens. Os seus patrocinadores, Pete Mann y Alex Walford, crêem que o aguardam grandes coisas. Mas, por agora, só quer levar à prática a sua tese de pós-graduação, que é penetrar nas mentes ds seus vizinhos, idealizar formas de aproveitar o seu talento, acabar com a enorme vergonha, como ele a define, do desperdício de potencial humano que determina grande parte de África.

Não acredita que as ONG estrangeiras - as ONG clássicas, diz ele, que levam caridade e projectos pré-concebidos ao continente, e para as quais trabalhou no passado - sejam a solução. "O nosso centro de recursos de Mathare é uma  organização que nasce desde baixo; o inconveniente da maioria das ONG - e em Mathare funcionam 300 - é que querem controlar tudo desde cima. Quanto mais dinheiro gastam em ti, mais querem controlar-te. E o mal disso é que as pessoas, acima de tudo, querem que as tratem com respeito; querem ser donos do seu desenvolvimento, que não sejam os outros, por muito boas intenções que tenham. Por desgraça descobri que, às vezes, algumas pessoas que crêem que estão a fazer o bem, na realidade estão a fazer o mal".

Sammy explica o que quer dizer com a parábola dos sapatos. "Uma ONG vem e oferece sapatos às crianças. Fazem fotografias com os sapatos novos. Muito bem. Mas os sapatos gastam-se, ou tornam-se pequenos. O problema é que a única coisa que abordam é o sintoma e, três anos depois, a ONG vai à comunidade e sente-se enganada porque, em segredo, as pessoas esperavam que a ONG as deixassem propor as suas próprias ideias e lhes dessem ajuda económica para resolver os seus problemas. Necessitamos ajuda económica, certo, mas dirigida para as necessidades que nós próprios temos que especificar. Se a ONG faz tudo, as pessoas tornam-se passivas e isso não serve de nada".

"Creio que o mundo está demasiado obcecado com os direitos humanos e esqueceu-se da dignidade humana. Oferecer sapatos é paternalista. Prefiro caminhar descalço que ser humilhado dessa forma. Talvez demore um pouco em poder comprar os meus próprios sapatos, mas, quando o fizer, escolherei os que quero, e cuidarei deles porque os valorizarei como fruto dos meus esforços".

 

Fonte: El País

publicado por salvoconduto às 00:01
link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De Suzette a 23 de Setembro de 2008 às 00:23
Bela história e é da vida real, como costumas trazer.
De toulixado a 23 de Setembro de 2008 às 01:09
Esse Sammy tem razão, algumas ONGs mais não fazem do que arranjar justificativos para o dinheiro que recebem.
De cristal a 23 de Setembro de 2008 às 08:03
Infelizmente a cooperação internacional foi transformada quase toda em mais um "negócio"...
De Ferreira-Pinto a 23 de Setembro de 2008 às 11:28
O negócio das ONG move milhões e emprega milhares. Alguns não passam de meros parasitas.
De São Banza a 23 de Setembro de 2008 às 14:55
Newm sei como transmitir o que sinto, tal é a amalgama de emoções...
Bem hajas!
De ana camarra a 23 de Setembro de 2008 às 16:13
Eu pessoalmente desconfio da ONG's, muito.
Conheço um caso fantástico de um taxista de Lisboa que em poucos anos formou uma, para apoio a Angola e está rico, toda a familia tem cargos na ONG, recebe apoios pouco claros cá e lá, tem uma mega vivenda em Santo Estevão, piscina e afins, terrenos e não sei que mais...
Contas mais uma história excelente de humanidade, linda e esperançosa...
A esperança, dizem, é a última a morrer e eu sou uma mulher que ainda deposita muita esperança na humanidade, somos capazes de coisas muito más, mas também de coisas muito boas.

beijo
De Pedro Oliveira a 23 de Setembro de 2008 às 16:24
Não dês peixe, ensina a pescar.É uma frase secular que faz todo o sentido.
As ONG's podem ter toda a boa vontade do mundo,mas são coordenadas por pessoas que não percebem que não é colocar dinheiro no problema que ele deixa de existir, é criar condições para que as pessoas aprendam a resolver os seu problemas.Por isso que o microcrédito tira mais pessoas da miséria que o dinheiro mandado à rua das ONG's.
De Lúcia a 23 de Setembro de 2008 às 21:57
Grande Post, Amigo! Palavra que estou impressionada. Pela história e pela lição. Aquelas pequenas coisas que estão á nossa vista e não vemos. Até me sinto corar. Eu que tão atenta e interventiva sou...mas é isso: há que escutar - lembrar a dignidade humana. E isso, por vezes, parece divorciado da sacções em prol dos direitos humanos. Porque tem de se ouvir o povo. Grande lição!
Beijos
De carlosbarbosaoli a 23 de Setembro de 2008 às 23:40
Só para acabar, porque o anteior comentário pirou-se antes de tempo..
Há outras, dizia, que se peocupam em conhecer os verdadeiros interesses das populaçoes e escutam as populaçõs, construindo os projectos a partir daí.
Um dia, talvez lhe possa contar mais pormenorizadamente alguns projectos em que participei.
De salvoconduto a 23 de Setembro de 2008 às 23:52
O anterior comentário também aqui não chegou.

Abraço

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Cá se fazem cá se pagam

. Eles aí estão

. Está o caldo entornado...

. O gesto é tudo

. E a Ucrânia ali tão perto...

. De capa e batina

. Subscrevo

. Gorduras do estado

. Curtas

. Podias andar de Clio? Pod...

.arquivos

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.subscrever feeds