Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

25
Set09

Colocar em agenda

salvoconduto

Li no Jornal O Público de Espanha que Isabel Allende acaba de nos presentear com mais um livro "A ilha debaixo do mar".

"Talvez seja a minha obra mais feminista, embora em todos os meus livros esteja presente a luta da mulher". Foi com estas palavras que Isabel Allende apresentou o seu último romance.

Segundo o Público, o livro conta uma história dura, a de Zarité, menina mulata de nove anos que nasce como escrava em Santo Domingo nos finais do século XVIII. Escolhida por uma das prostitutas mais belas do lugar, Zarité converte-se na criada pessoal da neurótica esposa de um jovem branco de origem francesa.

"Não procurei a história, simplesmente encontrei-a quando me documentava para outro livro, O Zorro. Tive que ir a Nova Orleães e o seu ambiente hipnotizou-me assim que investiguei sobre o passado das suas gentes e a escravatura. Daí surgiu tudo", disse a escritora.

Ainda segundo o Público, o romance tem todas as características que fizeram famosa a autora. Estruturada de tal forma que abarca 40 anos na vida da protagonista, estão presentes no livro o amor impossível feito realidade, uma base histórica e o recurso do realismo mágico, embora para Allende a parte mais importante seja a escravatura e o feminismo: "Este livro é actual. Hoje em dia há 27 milhões de escravos em todo o mundo, mais do que nunca. Situações como as actuais das crianças soldado ou das mulheres obrigadas a prostituir-se também são formas de escravatura. Não é diferente da situação que plasmo no livro, em Santo Domingo havia mais de meio milhão de pessoas nestas condições".

Ao falar da sua protagonista, Allende não oculta a sua satisfação por aquela que crê que é a sua personagem mais real. "Sinto que Zarité existe, que está comigo, ela é a última das minhas protagonistas, mulheres que nascem em situações difíceis que logram vencer mediante o esforço e graças a outras mulheres. Durante os dois anos que estive a investigar e a escrever, de tantas barbaridades que descobria, comecei a estar mal do estômago. Fizeram-me muitos exames para ver o que era e nada. Uma semana depois de terminar o livro, voltei a estar bem", recordou.

Com a Ilha Debaixo do Mar, Allende aproxima-se da vintena de livros, obras pelas quais já vendeu mais de 51 milhões de cópias em todo o mundo e é uma das autoras latino-americanas mais vendidas. Venha de lá a edição em português que é pena ainda não estar disponível. Amanhã, dia de reflexão, até era uma boa ocasião para iniciar a sua leitura.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D