Segunda-feira, 18 de Agosto de 2008

Cancun, paraíso para os turistas, inferno para os Mexicanos

Quando o Instituto das Estatísticas mexicano (Inegi) anunciou à imprensa que a taxa de suicídio mais elevada da república mexicana se encontrava em Cancun, instalou-se como que um silênco entre os jornalistas, depois os murmúrios de incompreensão. Como? Suicidam-se mais à beira deste paraíso, mais do que no inferno da cidade Juarez ou de Tijuana, essas cidades fronteiriças presas nas garras dos narcotraficantes e cheias de fábricas?

«Parece que o paraíso não é para todos», respondeu, laconicamente a encarregada do estudo.

Um estudo complementar foi também realizado pelo Observatório da Violência Social em Cancun. A pergunta: porque é que a taxa de suicídio em Cancun (9,8) é quase o triplo da taxa de suicídio nacional (3,4)? Nos seus gabinetes da Universidae das Caraíbas, os investigadores não estão admirados com o resultado. Eles vivem desde sempre em Cancun, a verdadeira Cancun, como explica Celina Izquierdo, socióloga:

"A maioria dos mortos por suicídio trabalham no turismo e têm em média trinta anos. Eles chegam aqui com a esperança de uma vida melhor, mais ainda quando diante deles, há toda essa riqueza, totalemente inacessível e que nunca tinham visto. Eles estão longe da família, embriagam-se."

A primeira Cancun, uma longa avenida de quatro vias ao longo de uma praia de 22 km de comprimento: 26 000 camas de hotéis que já não deixam ver o mar. As piscinas, os campos de golfe, as marcas de luxo e os espaços verdes. Esta zona é maioritariamente artificial, construida numa fina orla de praia entre o mar e e lago. 95% dos mangais originais, que protegiam dos furacões, desapareceram.

A segunda Cancun, é uma cidade de 700 000 habitantes, que cresceu em trinta e cinco anos e que bateu um outro recorde do México – o crescimento demográfico mais alto – cerca de 5%.

Cada família que desembarca em Cancun instala-se onde pode, umas folhas de zinco e um buraco paras WC. A rede de água cristalina, que está por baixo, está hoje inutilizável. A esta poluição, juntam-se as toneladas de fertilizantes dos campos de golfe, todos permeáveis para o sub-solo. Resultado: a água destinada aos hotéis é bombeada de cerca de 50 km da cidade e transportada por aquedutos.

Ao contrário, os dejectos dos turistas são empilhados no meio desses quarteirões. Solução apresentada com «provisória» em razão da proximidade das habitações, passou a definitiva.
Cancun despeja por dia 750 toneladas de dejectos: metade provém dos 700 000 habitantes, a outra metade das 26 000 camas de hotéis…

Os trabalhadores não recebem mais do que o salário mínimo, insuficiente para viver em Cancun onde os preços são, em média, 15% mais altos do que em qualquer outro lugar. As cadeias de hotéis, em toda a ilegalidade, utilisam os contratos temporários de 28 dias, sem protecção social, renovados depois de 3 dias de pausa, como testemunha Alejandro, massagista num hotel:

«No dia em tu assinas um contrato, assinas ao mesmo tempo a carta de demissão dentro de 28 dias. Eles fazem tudo isto e se tu dizes qualquer coisa vais para uma "lista negra". Será impossível então encontrares trabalho em toda a Riviera Maia.»

Os trabalhadores de pés e mãos atadas, os sindicatos comprados e as autoridades fecham os olhos. Assim vai Cancun, e assim vai cada vez pior a vida sob o Sol das Caraíbas.

Não sei o que me deu para partilhar isto convosco em época de férias, talvez a esperança de que alguns de vós dediquem uns minutos a olhar em volta , quando lá forem.

publicado por salvoconduto às 00:02
link do post | comentar | favorito
11 comentários:
De LUCILEIDE V SANTOS a 13 de Maio de 2015 às 14:23
ufa!!!! e eu querendo conhecer,perdi o interesse nao mim centiria bem.

Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Cá se fazem cá se pagam

. Eles aí estão

. Está o caldo entornado...

. O gesto é tudo

. E a Ucrânia ali tão perto...

. De capa e batina

. Subscrevo

. Gorduras do estado

. Curtas

. Podias andar de Clio? Pod...

.arquivos

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.subscrever feeds