Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

08
Mar12

Quando a agulha deixa de apontar o Norte geográfico...

salvoconduto

 

 

Sabendo à partida que o que aqui vou escrever terá leituras diferentes, whatever, não quero deixar de aflorar um aspecto ainda não abordado nesta questão dos cortes e excepções de salários que agora faz correr ainda mais tinta por causa dos trabalhadores da TAP.

 

Desde já faz-me confusão por um lado a forma como é dada a notícia de que "ali não haverá cortes nos salários", há e não são poucos, dois meses de salários correspondentes aos subsídios de férias e de Natal, por outro lado o facto dos que se dizem ofendidos estarem mais preocupados com o que deixa de sair dos bolsos dos trabalhadores da TAP do que com o que sai ou não dos próprios bolsos. Podendo com o bem dos outros o que nos deveria preocupar seria o nosso mal mas nem sempre assim parece ser, daí que não dê para esse peditório de virgens ofendidas que assentaram arraiais nas tvs, jornais, autocarros e cafés.

 

Dizia eu que há um pormenor que merece ser abordado. Se o dinheiro dos cortes nos salários dos trabalhadores da TAP não vai para o Orçamento de Estado e fica na empresa, se esta será segundo dizem privatizada nos próximos meses a quem beneficia realmente a diminuição dos salários ali praticada? Objectivamente, e só, aos futuros accionistas.

 

Ou estarão a pensar que ali todos os trabalhadores serão despedidos, que se estabelecerá uma nova tabela salarial? O que acontecerá é que independentemente da dimensão que a TAP venha a ter a tabela salarial será a que estiver em vigor à data da privatização. Alterações posteriores acontecerão por certo mas em sede de contratação que a bagunça dos cortes salariais decididos pelo governo não abrange o sector privado. Daí que volte à minha, no caso da TAP, os cortes nos salários objectivamente vão servir, às mil maravilhas, os futuros donos.

 

Não deixo de assinalar que me espanta o alarido em torno desta questão já que quando o governo decretou que os administradores da TAP e de algumas outras empresas públicas não seriam abrangidos pelos cortes as virgens não se manifestaram, quando a "excepção" chegou aos trabalha-dores caiu o Carmo e a Trindade, tendo os protestos curiosamente sido também encabeçados por outros trabalhadores que não conseguindo atinar onde está o essencial do problema descarregam a sua ira sobre quem vende a sua força de trabalho na TAP.

 

Assim não dá nem vamos a lado nenhum, pior ainda, isto não é novo. José Sócrates iniciou o seu malfadado governo virando trabalhadores contra trabalhadores, paradigmático o caso dos professores, a que não escaparam outros sectores profissionais. Passos recupera o que de mau a ideia teve, aplica-a na justa medida dos seus interesses governativos, vira privados contra públicos, o pagode lança foguetes, apanha as canas e com uma delas ainda fumegante coloca-se à frente da banda.

 

Eu sei, eu sei que haverá alguns entre vós que estarão com vontade de escrever na caixa de comentários que "quem não se sente não é filho de boa gente", tudo bem, sintam-se, manifestem o vosso descontentamento, virem é a agulha para a origem do problema e lembrem-se que essa gente não dá ponto sem nó.

 

08
Mar12

Aldrabão

salvoconduto

 

 

Questionado no debate parlamentar sobre as portagens recebidas a dobrar pela Lusoponte, Passos Coelho garantiu que aquela empresa não tinha recebido qualquer verba referente a portagens do mês de Agosto de 2011, afirmando que a verba de 4,4 milhões era necessária para a compensar dessa receita. O aldrabão foi mesmo ao ponto de dizer a Francisco Louçã que estava a fazer uma "cena" no Parlamento...

 

Esta gentinha não se convence que o diabo tapa com uma mão mas descobre com as duas e agora é a própria Lusoponte que reconhece que recebeu a dobrar. Recebeu mas não pretende devolver já que é credora do Estado. Quem não é credor de coisa nenhuma e fica com o selo de aldrabão é Passos Coelho e o seu secretário de Estado dos Transportes.

 

O mais engraçado no meio disto tudo é que sendo Passos Coelho um devoto do mercado não se dê conta que se fizesse numa empresa privada o que acabou de fazer no Estado tinha sido sumariamente despedido com justa causa.

 

Não tivesse o problema sido levantado e a esta hora alguém estaria a fazer uma "festarola" com os 4,4 milhões. Rouba quem pode com a conivência de quem deixa...

 

E a conivência tem nome, Sérgio Monteiro, secretário de Estado dos Transportes, o tal que garantiu a Passos Coelho que a Lusoponte "precisou de ser indemnizada" porque "não ficou com o resultado das portagens que foram cobradas durante esse mês" e que as receitas "foram retidas pelas Estradas de Portugal".

 

Agora já depois do debate quinzenal no Parlamento é também o Secretário de Estado das Obras Públicas, assim em jeito de "vejam lá não me comprometam", que emite um comunicado desdizendo o Primeiro-ministro e o secretário de Estado dos Transportes garantindo que os 4,4 milhões foram mesmo pagos à Lusoponte...

 

Podem vocês dar as voltas que quiserem, pintar a cena com os lápis de cor que entenderem, para mim é descarada tentativa de roubo dos cofres do Estado com a conivência pelo menos de um Secretário de Estado, aguardo para ver se o mesmo é demitido ou condecorado.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D