Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

22
Ago11

A cara com a careta

salvoconduto

 

 

O que me vale é que já estou habituado, há muito identifiquei as posições da igreja católica com o obscurantismo, com o lado mais conservador e retrógrado da nossa civilização, não estranho pois as palavras de D. José Policarpo.

 

A mesma igreja que conviveu de mãos dadas com ditaduras e genocídios, convive agora com o habitual à-vontade com a pior face do liberalismo instalado no país.

 

Quando a troika é ultrapassada pela direita, quando se ataca os traba-lhadores e se facilita o seu despedimento, quando se condena milhares à pobreza, outros tantos à miséria,  D. José Policarpo agasta-se e invecti-va com os que reclamam, à boa maneira de Cerejeira.

 

É esta a igreja que temos, aqui e no resto do mundo, sempre a remar mas a favor da "maré". Imagino em que estádio civilizacional nos pode-ríamos já encontrar não fora o obstáculo desta igreja ao longo dos séculos.


Os vendilhões tomaram conta do país, talvez por isso mesmo D. José Policarpo faça questão de demonstrar publicamente o ódio que nutre pelos sindicatos e demais movimentos de cidadãos que não vêem com bons olhos a sua presença, tem medo que um dia aqueles possam ser de novo expulsos do templo, o templo de que também ele se apoderou.


Antes que me lembrem que há no seio da igreja quem não perfilhe de tal mentalidade devo pela minha parte recordar que é mais do que certo que uma andorinha não consegue fazer a primavera.

 

É claro que recordo algumas das posições do antigo bispo de Setúbal, uma ou outra do bispo da forças armadas mas sobram-me demasiados dedos mesmo tendo em conta que já reservo alguns para aqueles outros, poucos também, que em terras da América-Latina frequentemente se tornam vítimas da igreja a que pertencem.


D. José Policarpo não dá lugar aos novos, controla-os e mantém um poder férreo, seguindo os passos e ensinamento de Cerejeira de má memória que amiúde faz questão de enaltecer.


É neste terreno que Policarpo mais gosta de se movimentar, a desgraça alheia, aquela que lhe vai garantindo que um rebanho de desesperados lhe bate à porta, os mesmos que em desespero também batem à porta do diabo.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D