Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

21
Out11

Inquisidora-mor

salvoconduto

 

 

A ligeireza ganhou-a nos tempos de maoísta, a inteligência acusa a erosão dos anos, já não dá para mais, embora à nascença já fosse pouca. Com o mesmo megafone, a que se esqueceu de renovar as pilhas, adapta as palavras de ordem de então, acampa diariamente no "Blasfémias", repete a arenga liberal desta feita centrada nos funcionários públicos, vai servindo copos cheios de fel entre a populaça.

 

Helena Matos, o nome da criatura, lembrando as ratas de igreja em período de oração, repete vezes sem conta as mesmas rezas, pelo meio vai lançando pragas, esconjuros e benzedelas.


Exulta com os cortes decretados pelo governo, levanta a cruz e aponta-a a Cavaco para quem recomenda a fogueira pela heresia proferida sobre a equidade fiscal.

 

A mesma cruz aponta a Pacheco Pereira que cometeu igual pecado por afirmar que "um funcionário público que ganha 1000 euros ilíquidos é tão “rico” ou tão “pobre” como um trabalhador do sector privado com o mesmo salário. Isto no passado, porque hoje já é mais “pobre” e discriminado."

 

Metodicamente a inquisidora-mor vai gritando os nomes à populaça, os nomes daqueles que devem ser lançados à fogueira exultando-a amarrar desde já os hereges no pelourinho que expressamente mandou construir.

 

Da acampada no "Blasfémias" saltita diariamente para o jornal Público onde lhe pagam para continuar a pregação, a perseguição aos infiéis e a propagação da doutrina liberal. Carrega nas cores, pretos e ciganos são os primeiros da sua longa lista. Só os puros como ela merecem a redenção. Negaram-lhe há muito um lugar à mesa do Estado, ressabiada jurou que se iria vingar. Deixa escapar de vez em quando uma interjeição de ressentimento por os seus pares ainda não lhe terem reconhecido o abnegado trabalho, toda ela é fel por dentro. Corre-lhe vinagre nas veias, não dá conta que mirra a cada dia que passa agarrada à cruz e ao megafone.


Alguém tem para aí umas pilhas que lhe ceda? Não sejam mauzinhos das gastas não, embora por certo não daria conta.

 

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D