Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

28
Out11

Perpétua para mais 12 e novas do Uruguai

salvoconduto

 

 

A Argentina continua a ajustar contas com o seu passado, desta feita são 12 os condenados a prisão perpétua pelos crimes durante a ditadura, depois de sentarem o cu no mocho durante 22 meses e perante 180 testemunhas que passaram pelo Tribunal Oral número 2 de Buenos Aires.


Foram condenados por 85 crimes, incluindo os assassinatos de Ballestrino Esther Careaga, Azucena Villaflor e Maria Ponce, fundadoras das Mães da Praça de Maio, e das freiras francesas Alice Domon e Leonie Duquet, da Igreja de Santa Cruz de Buenos Aires, onde se reuniam familiares dos desaparecidos.
 

Todos elas foram sequestradas por um grupo militar liderado por Alfredo Astiz entre 8 e 10 de Dezembro de 1977. Foram atiradas ao mar vivas e seus corpos foram levados para a costa, enterrados em valas comuns, os seus restos mortais levaram quase 30 anos para ser identificados.

 

Este mesmo Alfredo Astiz declarava há alguns anos a uma jornalista: “Digo-o sempre: sou um bruto, mas tive apenas um acto de lucidez na minha vida, alistar-me na Armada”. A mesma besta conhecida também por "anjo loiro da morte" apresentou-se no tribunal provocadoramente com um livro de baixo do braço que levava o título "Volver a matar" de Juan Bautista Jofre, director dos serviços de inteligência do ex-presidente Carlos Menem. Espero que na prisão o recordem disso durante os muitos anos que por lá vai apodrecer.

 

Também foram condenados pelo assassinato do jornalista e escritor Rodolfo Walsh, membro dos Montoneros sequestrado em 25 de Março de 1977, depois de ser publicada a sua "Carta Aberta de um escritor à Junta Militar", na qual denunciava o terror da ditadura.


Para além destes 12 foram condenados mais 2 a 25 anos de prisão, 1 a 20 anos e outro a 18 anos.


E se a isto juntarmos a decisão do Congresso do Uruguai que revoga a amnistia para militares acusados de abusos dos direitos humanos, que durante um quarto de século tem impedido acções penais por crimes contra a humanidade, ficamos com a esperança de que por aquelas bandas todo o lixo está finalmente a ser limpo e a lembrar a muitos desses criminosos de que nem todos os seus crimes passarão incólumes.
 
A decisão foi votada por 50 votos a favor e 40 contra, falta a assinatura do presidente, José Mujica, que ao que tudo indica o fará no próximo dia 1 de Novembro. Vale mais tarde do que nunca, a impunidade parece ter os dias contados, por lá, que por cá continua em grande...

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D