Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

01
Nov11

Por que temem o povo?

salvoconduto

 

 

Ainda vai fazer correr muita tinta, um mar dela, a "intenção", não creio que passe disso, do primeiro ministro grego George Papandreou de promover um referendo sobre o acordo que realizou com a troika.


Uns aplaudem outros interrogam-se como é possível pôr o povo a decidir estas coisas, tremem só de o ouvir, e este não interioriza o verdadeiro poder que tem.


Por aqui pelo meu canto nem uma coisa nem outra. Não considero que este referendo seja uma saída para o povo grego, bem vistas as coisas só lhe são facultadas duas opções, ou sim ou não. Em qualquer delas o primeiro-ministro grego, George Papandreou, sairia pouco chamuscado. Se o povo votasse contra responsabilizá-lo-ia por ser o culpado do descalabro. Se votasse a favor amarrá-lo-ia a tão perverso acordo.


A ter lugar tal referendo, a altura própria teria sido antes de o governo ter entregado o país ao FMI e à usura europeia. Mas ninguém me tira da cabeça que tudo isto é encenação para boi comer e sinal das guerras no seio da elite grega.


Há outras alternativas à mera questão do sim ou do não deste hipotético referendo. Deveria ser esse povo que agora tanta gente assusta a chamar a si o seu futuro longe da chantagem da troika, dos mercados, das elites que o desgraçam e de um mero sim ou não num boletim de voto.


Que rasguem o referendo, que rasguem o acordo com a troika e iniciem o seu próprio caminho, ditando o que podem e o que não podem cumprir, efectuando uma viragem de 180 graus no modo como regem o seu destino e o seu modo de governação.


Se assim fosse, tal como há milénios, a Grécia apontaria ao mundo um novo caminho. Mas as pressões são muitas, não tenho dúvidas e pressão é o que povo grego dispensaria de boa vontade, esmagado por ela há uns anos a esta parte. Liderança também lhe falta, os partidos do arco do poder esgotaram-se em si mesmos, são o rosto da desgraça.


O sinal mais claro do que na realidade se está a passar é a demissão há poucas horas de toda a cúpula militar, isso não foi encenação, uma decisão que deve preocupar o povo grego e é mais do que reveladora do que verdadeiramente se está a passar naquele país.


Já nem falo das reacções por este mundo fora, aqueles que passam a vida a dizer que governam para o povo tremem só de pensar que em algum lugar do mundo esse mesmo povo se possa pronunciar sobre o seu destino…

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D