Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

01
Dez11

Tv7, Martim Avillez

salvoconduto

 

 

Alguns de vós não terão conhecido João Coito, jornalista, que tinha uma crónica (Tv7) semanal na televisão do anterior regime onde enaltecia a virtudes de Salazar e posteriormente Marcelo Caetano. Não sei porquê hoje  o jornalista Martim Avillez Figueiredo, fez-me dele lembrar quando analisava a entrevista de Passos Coelho à SIC.

 

Dizia o Martim: excelente, excelente, excelente, pena foi o tempo gasto nas perguntas e desdobrava-se em absurdos elogios em tudo semelhantes aos de João Coito.

 

Como sou do tempo de João Coito entendo perfeitamente o Martim, os jornalistas deveriam limitar-se a colocar à disposição de sua excelência o Presidente do Conselho os meios de comunicação e reservar para depois a tarefa de o enaltecer.

 

Desconheço por onde se formou o Martim mas não errarei muito se disser que as crónicas de João Coito lhe devem ter feito companhia por muitas e longas noites.

 

Consegui recuperar uma das crónicas de João Coito, logo após a morte de Salazar, de que vos deixo aqui uma parte na certeza de que não vos será difícil de a imaginar na boca do Martim depois de substituído o nome do Presidente do Conselho:

 

"…Muita tinta correu e muitas palavras foram ditas acerca da figura e da obra do homem genial cuja envergadura se projectou e dilatou além-fronteiras.

A maior parte de nós, que continuamos vivos, nascemos e crescemos já com ele ao leme, e podemos testemunhar, de facto, a suprema dedicação de Salazar ao serviço do País. Foi o grande monge deste grande convento da Pátria! Nem família, nem amigos, nem distracções. A única preocupação do homem, desde que assumiu as responsabilida-des do poder, foi o presente e o futuro deste País repartido pelo Mundo.

Vigiou noites intermináveis, silenciosamente, sem que o povo adivinhas-se sequer os perigos que corria. Nem os adivinhávamos, nem fazíamos esforço por os adivinhar. Nem era o desinteresse que marcava esta nossa atitude. Durante 40 anos habituámo-nos a descansar nele. Nos momentos mais dramáticos, quando a tempestade assomava à nossa porta, o povo, com aquele sexto sentido que Deus lhe deu, exclamava apenas: "Está lá o Salazar… Vamos ver o que ele resolve e o que ele nos diz… E assim foram vencidas as tempestades.”

O Estado não tinha dinheiro para pagar as suas dívidas. O trabalhador não sabia se haveria dinheiro ao fim da semana ou ao fim do mês. As revoluções e as desordens eram tão naturais e vulgares como as chuvas e as trovoadas.

 

A gente compreende e aceita que o Exército, num impulso incontido, quisesse arrumar as coisas e pô-los no seu lugar. Mas como? Qual era o político que havia de meter ombros a tarefa tão gigantesca?...

 

Foi então que o País travou o seu primeiro conhecimento com um professor que vinha de Coimbra. Tinha trinta e poucos anos. «Sei o que quero e para onde vou»!


Estas palavras, srs. espectadores, eram dum homem de trinta e poucos anos.
Talvez que a primeira reacção dos políticos experimentados desse tempo tenha sido um sorriso de desdém. Mas o povo, a grande massa do povo, começou logo aí a habituar-se à verdade desse homem novo que só lhe prometia aquilo que efectivamente podia realizar.

 

Hoje, depois de ter sido vencida a etapa decisiva, há muito gente a discutir as virtudes  e os defeitos da obra de Salazar. Há muitos que dizem que a excessiva preocupação com o equilíbrio financeiro é uma das causas do nosso atraso económico. Não serei eu que os vou contraditar, que não percebo de finanças. Mas sempre quero dizer que compreendo e aceito a obsessão de Salazar. Quando chegou ao Governo encontrou os cofres vazios, o País endividado e, o que é pior, sem crédito. Avaliamos os trabalhos que ele teve para modificar esse estado de coisas e compreendemos perfeitamente que, ao longo do resto da sua vida, sempre tinha ficado no seu espírito o fantasma das dívidas e da penúria.

Nesta hora o Presidente sabe tudo de tudo e encontrou resposta para todas as suas dúvidas e interrogações, que também as tinha.
Se o Presidente agora pudesse voltar? ! ... Que lições fantásticas e infinitas nós não escutaríamos ao Professor!
A história recebeu-o nos seus braços justos. Nos caminhos do porvir, o seu nome há-de andar vivo nos lábios das crianças que surgem para o Portugal de sempre. Nós tivemos o grande privilégio de ser testemunhas do seu tempo, da sua vida e da sua obra."

João Coito


 

Cada vez fico mais com a sensação que efectivamente está de volta e João Coito também, as semelhanças são por demais evidentes. Quem vos avisa…

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D