Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

02
Set08

A ocupação envergonha-a

salvoconduto

Às seis da manhã, Hanna Barag já está a caminho. Tem 72 anos, aspecto de afável avozinha e uma reforma bem merecida. Podia ficar a rebolar-se na cama ou a ler o jornal até às tantas, mas esta pequena mulher israelita dedica grande parte da sua vida a denunciar os abusos que cometem os soldados do seu país nos postos aduaneiros e a tratar de aliviar parte do sofrimento dos palestinianos apanhados na burocracia da ocupação. "Os jovens israelitas não querem saber o que se passa no outro lado do muro, não lhes interessa saber o que fazem os seus soldados. A mim, sim. É o meu país, são os meus impostos, é o nosso futuro. A ocupação envergonha-me.Os controlos militares que condenam Barag são os mesmos que a comunidade internacional condenou, porque, dizem, minan o desenvolvimento económico dos palestinianos e limitam a chegada de ajuda humanitária.

Barag é judia de ascendência alemã. A maior parte da sua família consegiu escapar do horror nazi e instalou-se em Israel. Alguns, como os seus tios, não conseguiram fugir e terminaram os seus dias em Auschwitz. Ela nasceu e cresceu em Israel.

Às  8 da manhã, já está no segundo posto da rota que a si mesma traçou. É o que controla a entrada da cidade palestiniana de Nablús. Ali, homens, mulheres e crianças amontoam-se enregelados. Os soldados controlam a documentação dos palestinianos e decidem se os deixam passar ou não. Os trabalhadores saem do controlo com o credo na boca, as botas cobertas de lama. Apressam-se e continuam a sua longa peregrinação até às obras e aos andaimes.

Barag, enxuta e vestida com calças de grinaldas e sapatilhas brancas impolutas, observa e aponta tudo na sua agenda.

Os postos aduaneiros converteram-se num microcosmos com vida própria onde as mulheres dão à luz, as gentes se ajoelham a rezar, dormem na fila, sobre cartões, à espera que amanheça. Ali criam-se amizades e lutas, próprias da tensão da espera e da urgência de chegar a tempo ao trabalho.

Plantada à saída de um, Barag recebe as ameaças de um militar. "Saia daqui, vou chamar imediatamente a polícia".
Mas ela não se mexe. Conhece as regras a dedo e sabe aonde pode estar e aonde não pode. Não teme os soldados e ignora os seus gritos de "vai cozinhar, avozinha".

Por esta altura, depois de sete anos a percorrer os territórios ocupados, Barag estabeleceu relações com todos os destacamentos do exército. A eles faz-lhes chegar as denúncias e pede-lhes também favores, que deixem passar as centenas de palestinianos que acorrem a ela para que possam assistir ao seu próprio casamento, dar à luz num hospital ou até a morrer na sua própria casa. Às vezes escutam-a, porque, ao fim e ao cabo, é uma das suas, fala o seu idioma, poderia ser mãe deles.

Barag, como as suas 500 companheiras da organizaçãp "MachsomWatch" que diariamente submetem os soldados dos postos de toda a Cisjordânia a escrutínio, não se encaixa no perfil clássico de activista. São mulheres de avançada idade, da classe média e alta qualificação académica. Professoras, químicas e médicas compõem este exército de auditoras dos direitos humanos e o que as move é o sentido comum e o desejo de viver num país melhor e mais justo.

Que a acção de Hanna Barag dê frutos e se multiplique por milhares de cidadãos que ali ao pé assistem indiferentes.

Todos certamente ansiamos também um outro país, com a sua própria terra e livre, a Palestina.

 

Fonte: El País

14 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D