Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

11
Jan12

Dez anos de vergonha

salvoconduto

 

 

Completam-se hoje 10 anos sobre o nascimento desse "monstro" que dá pelo nome de Guantánamo, a prisão que violando todas as disposições internacionais foi erigida em solo cubano pelo governo de Washington que porfiou para que a "sujeira" se fizesse longe de casa.

 

Oito anos depois do seu encarceramento naquele buraco negro, onde permaneceu até há muito pouco tempo, Saber Lahmar, agora um homem livre, recorda o isolamento, a humilhação e a tortura que deixarão para sempre uma "mancha negra" no seu coração. Recorda a utilização de drogas na comida que o impediam de dormir, o ar condicionado gelado, a luz florescente na cela de 2m por 1,5m que não se apagava nunca, as privações de sono e de alimentos, a exposição constante ao ruído de um motor em movimento, que foi colocado na porta da sua cela, mas que era guardado durante as visitas da Cruz Vermelha, as descargas eléctricas ou o gás introduzido na cela durante 20 minutos todos os dias. Durante um ano e meio não viu o sol, durante os interrogatórios era obrigado a permanecer sentado num banco durante 18 horas seguidas. "Anos de tortura por nada" e a quem foi negado o direito de se defender.

 

Foi entregue às autoridades americanas na Bósnia, juntamente com outros cinco argelinos suspeitos de prepararem um ataque contra a embaixada dos Estados Unidos em Sarajevo. Quando ficou provado que as acusações eram infundadas, foi acusado de querer unir-se aos insurgentes no Afeganistão.
 
Seis anos depois da sua prisão um tribunal de Washington determinou que não havia evidência de qualquer crime ou de que o acusado fosse uma ameaça para os EUA. Tratava-se afinal de um simples professor de árabe que dirigia uma livraria em Sarajevo.

 

O buraco da vergonha continua lá em pleno, a medalha de um Nobel igualmente, em lugar de destaque na sala oval da Casa Branca. Há também quem guarde religiosamente um pedaço do muro de Berlim e faça por ignorar o que se passa em Guantánamo. É disso que eu gosto neles...

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D