Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

05
Set08

Portam-se como ladrões

salvoconduto

Cada vez mais são as vozes peruanas que exigem dos Estados-Unidos, a devolução ao Perú de mais de 40 mil peças arqueológicas saqueadas das ruinas incas de Machu Picchu pelo norte-americano Hiram Bingham. Várias têm sido as manifestações na sua maioria mulheres, que se concentram na praça principal da cidade andina de Cusco, capital da região com o mesmo nome, onde se encontra Machu Picchu, para reclamar a devolução.

O último protesto foi encabeçado pela presidente Conselho de Defesa do Património Natural e Cultural de Cusco, (organização não governamental) Marina Tagle de Rebatta.

Os manifestantes empunharam bandeiras peruanas e do Tahuantinsuyo - Império dos Incas, de que Cusco foi capital - como gesto de protesto pelo saque das peças arqueológicas.

Hiram Bingham levou as peças para a universidade de Yale com a promessa de devolvê-las depois de as estudar, tendo escavado e explorado com regime de exclusividade as ruinas, depois de lá chegar em 1912 e proclamar-se descobridor, pese embora o santuário inca fosse conhecido por muitos cusquenhos e alguns estrangeiros.

O governo peruano iniciou há um ano negociações com a universidade de Yale sobre o chamado tesouro de Machu Picchi, que formalizaram num convénio mas que não garantia a devolução das peças, razão pela qual foi recusado pelas organizações cusquenhas e diversas personalidades.

O executivo aceitou então reclamar o regresso dos objectos de ouro e outros metais, assim como cerâmica, saqueados por Bingham, e o ministro Garrido Lecca, deixou aberta a possibilidade de contratar advogados para conseguir a devolução.

A posição peruana foi apoiada pela National Geographic, que patrocinou conjuntamente com a Universidade de Yale a expedição de Bingham em 1912.

A National Geographic garantiu que as peças arqueológicas retidas pela univerdidade de Yale foram entregues a Bingham a título de empréstimo, por um período de tempo que expirou há muito tempo, pelo que o tesouro já devia ter sido devolvido.

O ministro peruano Garrido Lecca ofereceu no princípio do mês passado a Yale a possibilidade de a universidade participar nos estudos das peças, para o que se celebraria um acordo depois da devolução, mas nem assim.

Os Estados-Unidos usurpam um tesouro que não é seu. o Perú fica sem estes testemunhos históricos, que todos os que vão a Machu Picchu gostariam de ver, devidamente enquadrados com o seu passado. E o mundo que fica mais pobre.

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D