Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

02
Fev12

É a verdade que volta

salvoconduto

 

 

Volta e aponta o dedo àqueles que querem condenar Baltazar Garzon, não por qualquer falha ou abuso jurídico por si cometido, mas pelo simples facto de autorizar e promover que muitos dos seus concidadãos encontrem os seus antepassados assassinados pelas mãos dos esbirros de Franco e cujos corpos invariavelmente eram arremessados para valas comuns onde muitos permanecem à espera que alguém os desenterre, conte a sua história de vida e lhes propicie sepultura digna junto dos seus.

 

Setenta e quatro anos depois está a ser exumada a vala para onde foram jogados os corpos daquelas que a história conhece como as "17 rosas andaluzas". Até ao momento foram encontrados 15 corpos e espera-se que os dois restantes sejam igualmente encontrados já que se supõe estarem enterrados em camada mais profunda da terra.

 

Imaginem por momentos que sejam levados até á beira da vala, imagi-nem um professor a dar uma aula de história mesmo ali junto aos corpos encontrados, imaginem que esse professor pergunte aos alunos se já algum tinha ouvido falar no que acontecera àquelas mulheres e que de entre eles alguém levante timidamente a mão e murmure, "Josefa Pintado era minha bisavó" ou que mais ao lado uma voz mais firme transmita a sua indignação, “ao juiz Garzon tratam-no como um criminoso e a um dos responsáveis do franquismo prestam-lhe homenagem com música" numa clara alusão a Manuel Fraga Iribarne, que desapareceu há poucos dias do convívio entre os vivos. Morreu de velho como geralmente acontece com os da sua estirpe.

 

Dezassete mulheres foram fuziladas pelo único facto de serem casadas com milicianos republicanos. Tinham entre vinte e vinte e sete anos. No crânio de uma delas está a marca das gentes de Franco, dois orifícios na nuca. Mais de 50 balas acabaram-lhes com a vida, são os cartuchos vazios que o atestam.

 

Segue-se o trabalho de laboratório para as identificar e entregar os restos mortais à família. Enquanto continua a desenterrar-se a verdade prosse-gue o julgamento de quem autorizou que a mesma se apure...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D