Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

20
Fev12

Um dia a Caixa vem abaixo

salvoconduto

 

 

Quando um administrador do Banco do Estado que foi reconduzido ainda apenas há apenas seis meses dali sai e vai trabalhar para a concorrência, como fez Santos Ferreira e Armando Vara, é legítimo que se levantem interrogações, ou serei só eu que estou a ver mal a coisa?

 

Eu sei, reconheço que o meu feitio não ajuda, mas também como é que podia ter bom feitio se passam a vida a gozar com a minha cara, com a minha e com a vossa, mas por isso mesmo precato-me para tiradas mais manhosas da minha parte. Tirei-me de cuidados, nunca fiando a 100% na memória que na minha idade até pode atraiçoar-me e fui confirmar. 

 

Jorge Tomé o administrador da Caixa Geral de Depósitos responsável pela compra recentemente concluída de 70% da Banif CVC sai da Caixa e vai trabalhar para onde? Para o banco com quem fez o negócio, o Banif! Como Presidente da Comissão Executiva.

 

Não, não sou eu que ponho em causa a bondade do negócio, são eles que se põem a jeito ou então fazem de nós parvos.

 

O que ressalta também no meio disto tudo é que a Caixa já teve melhores dias, não vai há muito que se mordiam uns aos outros por um lugar no Conselho de Administração, agora ainda apenas decorridos 6 meses da nomeação daquele Conselho são já dois os que partiram, pior mesmo é quando vão directamente para a concorrência. Longe vão os tempos em que o segredo era a alma do negócio. Fica-se mesmo com a impressão de que toda a gente ali vai precisamente para se pôr a par do negócio, ganhar nome na praça e depois ala que se faz tarde.

 

Esta história trouxe-me à memória um outro administrador da Caixa, Júlio Rodrigues, já falecido, mas daqueles da casa, subiu a pulso, sem trampo-lim nem vara, que vestia mesmo a camisola, que entra pela sala de reuniões adentro, vermelho de raiva, sem conseguir articular palavra, “calma doutor", lá lhe fui recomendando, "mas diga lá o que se passa", "traição Adriano, traição", era o que lhe saía da boca, mas da alma saía muito. Tavares Moreira, outro espertalhaço da laia de Oliveira e Costa e Dias Loureiro, tinha saído do Conselho de Administração da Caixa há apenas dois dias para Secretário de Estado do governo de Cavaco Silva e apressara-se a tomar algumas medidas que lesavam fortemente a empresa, sem qualquer aviso prévio, sabia como e onde a atingir.

 

A Caixa sobreviveu, Tavares Moreira acabou por ser inibido de exercer de funções de administração em instituições de crédito por um período de sete anos e uma coima de 180 mil euros por gestão danosa no Central Banco de Investimento, tal a propensão desta gente para as "negociatas", pena Júlio Rodrigues já não assistir.

 

Agora são outros os actores, a Caixa está encalacrada no BPN, em França e em Espanha, a juntar a isso vai ser espoliada da componente segura-dora. Sobreviverá?

 

1 comentário

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D