Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

28
Fev12

Ainda na ressaca da noite de óscares

salvoconduto

 

 

Ainda não vi grande parte dos galardoados, diz quem segue o fenómenos da atribuição de perto que não houve surpresas, alguma terá havido, pelo menos o discurso de Asghar Farhadi o realizador iraniano do filme  "Uma Separação" que ganhou o prémio para melhor filme de língua estrangeira, perante uma plateia de cenho carregado, enquanto Asghar Farhadi lia o discurso previamente escrito, claramente preocupada até onde iria Farhadi.

Talvez por isso a comunicação social "passou-lhe por cima", os que dele falam é mais para "enquadrar" o discurso, coisa que se "compreende" já que o mesmo falava de "guerra, intimidação e agressão" ou ainda "respeito por todas as culturas e civilizações apesar da hostilidade e ressentimento", nada que não estejamos já habituados.

 

Mas voltemos ao cinema e aos óscares, deixo-vos aqui um interessante artigo de Andre Barcinski que vale a pena ler e ao qual apenas corrigi os nomes dos filmes, brasileiro é pior que tuga no que à tradução dos títulos diz respeito. É de todo improvável saberem quem é André Barcinski, por isso aqui fica: é crítico do jornal Folha de São Paulo, 42 anos, vencedor do prémio do Júri do Festival de Sundance em 2001 pelo documentário "Maldito", é autor de "Barulho", vencedor do prémio Jabuti em 1992, e "Maldito - A Vida e o Cinema de José Mojica Marins" (2001).

 

"O Óscar e a infantilização do cinema

Nenhuma grande surpresa no Óscar. Eu apostava numa divisão dos principais prémios da noite, mas as vitórias de “o Artista” nas categorias filme, director e actor não podem ser consideradas zebras.

 

Se 2011 não ficará marcado como uma grande safra de filmes, pelo menos será lembrado como o ano em que o abismo entre o Óscar e o público americano tornou-se intransponível. Nunca houve um descompasso tão grande entre o gosto da Academia e o gosto do público.

 

Quer prova? Dos 40 filmes de maior bilheteria nos Estados Unidos em 2011, apenas um – “As Serviçais” – foi indicado ao prémio de melhor filme. Um em 40. Dos dez filmes de maior bilheteria em 2011, apenas um – “Thor” – não é uma continuação. E todos – repito, todos – são filmes que apelam ao público adolescente. Ou seja: o cinema adulto não faz mais sucesso.

 

Compare isso à década de 60, quando todos os vencedores do Óscar foram sucesso de bilheteria, de “O Apartamento” (1960) a “Perdidos na Noite” (1969). Dos campeões de bilheteria de cada ano entre 1960 e 1969, cinco foram indicados ao Óscar de melhor filme: “Lawrence da Arábia” (1962), “Cleópatra” (1963), “Mary Poppins” (1964), “Música no Coração” (1965) e “Funny Girl” (1968).

 

Os anos 70 não foram diferentes. Todos os vencedores de Óscar triunfaram na bilheteria: “Patton” (1970), “The French Connection”  - (1971), “O Padrinho” (1972), “A Golpada” (1973), “O Padrinho – Parte 2” (1974), “Voando Sobre Um Ninho de Cucos” (1975), “Rocky” (1976), “Annie Hall” (1977), “O Caçador” (1978) e “Kramver vs. Kramer” (1979). Com raríssimas excepções, só filmaços.

 

Agora, compare isso ao que ocorreu de 1980 para cá: nos últimos 32 anos, apenas três filmes que ganharam o Óscar também foram campeões de bilheteria de seus respectivos anos: “Rain Man” (1988), “Titanic” - (1997) e “O Senhor dos Anéis” (2003). O que aconteceu nesse tempo? Como surgiu esse abismo entre o gosto da Academia e o gosto do público?

 

Uma palavra: “Tubarão”. Não é novidade que o filme de Spielberg mudou a história de Holllywood. Pela primeira vez, executivos perceberam que um filme poderia virar um “franchise”. “Tubarão” foi um dos primeiros filmes a estrear numa quantidade absurda de salas, e rendeu fortunas com sequências e produtos (para quem quiser se aprofundar no assunto, sugiro ler “Como a Geração Sexo, Drogas e Rock’n’Roll Mudou Hollywood”, grande livro de Peter Biskind sobre o cinema americano dos anos 70).

 

O que estamos vendo hoje é o auge da infantilização do cinema americano, iniciada com “Tubarão” e impulsionada por George Lucas e “Guerra nas Estrelas”. Então a culpa é de Spielberg e Lucas? Não. Eles simplesmente foram os garotos-propaganda de uma revolução comercial inevitável.

 

É só ver como a indústria da música, a partir dos anos 80, também descobriu o valor do público juvenil, para perceber que essa busca por um consumidor jovem, extremamente susceptível a propaganda e extrema-mente fiel, que não se importa de ver duas ou três sequências de seus filmes predilectos, faz todo sentido, se você é executivo e só está interessado em fazer dinheiro.

 

Enquanto isso, o público adulto migra para as séries de TV e dá mesada para os filhotes se divertirem com a enésima parte de “Harry Potter”. Na prática, os adultos estão pagando para destruir o seu próprio prazer de ir ao cinema.

 

Tempos estranhos os nossos…"

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D