Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

06
Jul12

O raio que nos parta?

salvoconduto

 

 

 

Já anteriormente aqui deixei algumas palavras sobre "l’enfant terrible" do jornal de negócios, Pedro (o) Guerreiro. O puto gosta de mandar umas bicadas mas sem esquecer nunca por nunca o seu lado da barricada. É giro, sem pôr nada de essencial em causa esbraceja e vai fazendo uns editoriais que depressa são devorados e passados de email em email, a malta gosta de comidas apimentadas, veja-se o caso de Medina Carreira, apregoa a desgraça aos quatro cantos do país mas sem nunca beliscar o regime e os responsáveis pela desgraça, não vá alguém lembrar-lhe que também sentou o traseiro na pasta das finanças.

 

Mas voltando ao menino-guerreiro, às vezes interrogo-me se não será ele o autor do quase permanente roubo de que é vítima a estátua da Maria da Fonte em terras de Póvoa de Lanhoso. Volta não volta o gadanho que exuberantemente empunha numa das mãos vira sumiço e só após longos protestos das gentes da terra é que o presidente da junta ordena que devolvam a Maria da Fonte o artefacto com que ameaçava ceifar a vida de quem ousasse enfrentá-la. Assim parece o puto-guerreiro quando publica mais um editorial no jornal de que é director.

 

Aí está mais um e uma vez mais faz-se de cego, atira críticas e impropé-rios para o ar, em cima de alguém hão-de cair, "o raio que nos parta" clama ele, "o governo errou, mas o tribunal constitucional errou ainda mais ao abrir a porta aos cortes no sector privado", como eu o compreendo, um homem não é de ferro, quem não se sente não é filho de boa gente, por muito férrea que seja a sua armadura. "Assim também eu vou pagar" esgrime o guerreiro com o gadanho bem afiado, "shame on you" não para de atirar. "Vão incendiar esta merda à boa maneira de Nero" vaticina guerreiro,  "vá lá que não nos caiu em cima da cabeça a cabra, os vidros e o arranha-céus" que era o que sucederia se tivessem mandado devolver os subsídios de 2012, condescende guerreiro.

 

Às vezes o puto alonga-se e acaba por escrever o que não tinha em mente, foge-lhe a esferográfica que se lhe adianta ao pensamento e lá vai revelando que o Governo chegou inicialmente a estudar o corte sobre todos os trabalhadores mas optou por castigar a função pública porque ela "não é a sua base eleitoral".

 

Aqui é que bate o ponto, Pedro Guerreiro esgrime com o gadanho mas nunca coloca em causa o regime neoliberal que aqui nos trouxe e aqui promete nos enterrar, o raio que o parta a si meu caro Guerreiro.

 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D