Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

10
Out08

O Último fuzilado pelo franquismo

salvoconduto

Quando viu na televisão o retrato de Humberto Baena, deu-se conta de que não era aquele que julgava ter visto no lugar onde tinham assassinado um polícia e correu para a esquadra para corrigir o seu erro. O agente recebeu a testemunha com uma sugestão: "Não dê mais voltas, senhora. Estão todos no mesmo saco. Vá para casa e esqueça", sentenciou enquanto ajeitava a pistola.

O rosto que a televisão mostrava era o de Humberto Baena, membro da FRAP (Frente Revolucionária Antifascista e Patriótica) fuzilado em 27 de Setembro de 1975, somente dois meses antes da morte de Franco e cerca ano e meio depois do 25 de Abril em Portugal.

"Ela não pensava que o fossem matar. Escreveu ao meu pai dizendo-lhe que tinha remorsos", recorda Flor Baena, irmã de Humberto. Fernando Baena tentou reabrir o caso do seu filho com aquela carta um ano depois da sua execução.
Ninguém quis recebê-lo e, segundo a família, a carta ardeu. Aquele foi o primeiro tiro da justiça. Desde então, a família luta por escrever na história de Humberto Baena a palavra assassinado onde agora está escrito assassino.

Com essa petição dirigem-se à Comissão dos Direitos Humanos da ONU. É o seu último recurso.

"No Tribunal Constitucional disseram-nos que não podiam anular o juizo porque, quando ocorreu, a Constituição não existia e não se a podia aplicar com efeito retroactivo. O Tribunal de Direitos Humanos de Estrasburgo, indigna-se. Em 1977 Espanha não tinha ainda subscrito a Carta dos Direitos Humanos".

Perante o  conselho de guerra, os advogados não puderam apresentar provas nem testemunhos, incluindo os que poderiam ter demonstrado que Humberto Baena estava em Portugal no dia em que assassinaram o polícia. Daquele juizo sumaríssimo sairam 5 condenações à morte, entre elas a de Humberto Baena. O tribunal militar, não respeitou nem a própria legalidade franquista, queriam mortos, rapidamente e a qualquer preço, que sirviriam para dar uma lição ao movimento popular antifascista em ascensão naqueles momentos.

As execuções emocionaram a opinião pública mundial de então. Em Paris, realizou-se uma grande manifestação onde se ouvia: "Franco assassino! Franco assassino!" Em roma milhares de manifestantes gritavam, Espanha livre! Espanha livre! Em Bruxelas atacaram a embaixada espanhola. Na Inglaterra o partido trabalhista anunciou uma resolução de total condenação. Em Amesterdão o governo holandês declarou o dia de "demonstração nacional" e os ministros juntaram-se às marchas de protesto.

Dois dias depois, o presidente mexicano, Luis Echevarria, pediu ao Secretário Geral das Nações Unidas que suspendesse a Espanha como membro da ONU. A partir daí o esquecimento...

Muitos dos documentos da família sobre o caso perderam-se num incêndio. Mas sobreviveu uma cópia da última carta de Humberto Baena: "Pai, mãe, executar-me-ão amanhã de manhã. Pedirei para que não me tapem os olhos, para ver a morte de frente. Que a minha morte seja a última ditada por um tribunal militar. Quero dar-lhes ânimo. Pensem que eu morro, mas que a vida continua".

A vida continuou, mas a justiça tarda.

 

Fontes: El País, Time.

9 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D