Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

24
Out08

Como se vêem as crianças que trabalham

salvoconduto

No mundo há 218 milhões de crianças que trabalham. No Peru, dois milhões. Duas psicólogas daquele país, Giselle Silva e Claudia Fuentes, perguntaram-se "que pensam e sentem as crianças trabalhadoras sobre o trabalho infantil?" e colocaram a 384 crianças o repto de pintarem-se a si mesmas e que responderam a perguntas básicas como "porque trabalhas?" ou "se fosses pai ou mãe, deixarias que o teu filho trabalhasse?".

O resultado foi a exposição 'A Voz das Crianças Sobre Trabalho Infantil', apresentado o mês passado em Lima, no  Encontro Internacional Pro-Criança.

Os resultados revelaram imagens, algumas das quais aqui que coloco, como a do início: uma criança de Arequipa que trabalha numa fábrica de tijolos e que se vê ameaçada por um adulto, "que pode ser seu pai", aponta Giselle. "O trabalho é feio porque me pesa", diz outra criança no seu desenho.

Muitos deles pintam-se chorosos, com lágrimas nos olhos. Outros, com gotas de suor. A maioria, andrajosos, com as roupas rotas e cheias de remendos. Há uma criança que pinta a cores todo o desenho menos a ela: "Indica como maneja a sua afectividade", aponta a psicóloga, Giselle Silva, uma das autoras do estudo sobre o trabalho infantil através dos desenhos das crianças.

Se os desenhos já, por si, são incómodos para a consciência, algumas das frases, que põem na boca dos personagens desenhados, encolhem o coração:

"Papá, a professora pediu-me um sol (moeda peruana equivalente a vinte e cinco cêntimos, em euros) para a tarefa", diz uma criança no seu desenho. "Ah, não tenho dinheiro e vens-mo pedir, seu pedaço inútil", responde o pai, representado com uma garrafa numa mão e um pau ao alto na outra.

"Para que as crianças tivessem este nível de expressão, teve que haver uma preparação, uma conversação prévia dizendo-lhes que às crianças não se lhes dava a oportunidade de se expressarem, que não os escutavam e que agora tinham a oportunidade de fazê-lo, que tinham muito que dizer para que os adultos nos sensibilizemos e tomemos decisões que os favoreçam", explica a psicóloga.

Não forçaram ninguém. Participou quem quis e só dois não quiseram entrar no 'jogo'. Aos restantes encantou-lhes a experiência, assegura.

A segunda parte do encontro desenrolou-se através de perguntas. Uma das conclusões principais foi que, "enquanto na zona urbana uma criança que trabalha não é feliz, no campo uma criança que trabalha é feliz".

A criança das zonas urbanas marginais sente que não deveria trabalhar, embora creia que tenha que o fazer. Dizem: 'trabalhar é mau, eu não permitiria que o meu filho o fizesse'.  A do campo, ao contrário, vê-o como algo de bom, sente-se de acordo com esse valor social e sente-se feliz. Dizem-nos: 'Os que não trabalham são ociosos e preguiçosos'.

Outra constatação é que as crianças 'urbanas' "estão mais expostas aos perigos. Temem um abuso, um assalto, um roubo ou uma violação quando saem à rua".

E não só trabalham, como pensam que, pelo facto de serem crianças, têm que cobrar menos. A maioria diz que ganha entre um e cinco soles. Mas um adulto, pelo mesmo tipo de trabalho, pode cobrar entre 25 e 40 soles por dia, afirma Giselle. "O dramático é que pensam 'como sou pequeno, mereço um salário pequeno'".

E quando poderá mudar a situação? Quando os pais se sensibilizarem e deixem de mandar a criança trabalhar, ou quando tiverem condições sociais para o fazer. Quando naquele e noutros países se mudarem as mentalidades e a ganância de quem governa.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D