Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

05
Nov08

Purga nas forças armadas da Colômbia

salvoconduto

Ocorreu há poucos dias, na Colômbia, a maior purga operada no exército por um caso de violação de direitos humanos. Foram demitidos 27 militares "por negligência" na hora de "evitar" o assassinato de civis. Dos expulsos, três têm a patente de general, Roberto Hernández Pico, José Joaquín Franco Cortés e Paulino Coronado, além de quatro coronéis, sete tenentes coronéis, três majores, um capitão e um tenente.

Embora o governo de Uríbe não o mencione de forma expressa, a purga reporta-se ao caso de cerca de vinte colombianos de um bairro operário, Soacha, que desapareceram em Setembro das suas casas para reaparecer dias depois como membros das FARC caídos numa confron-tação com o exército.

O escândalo estalou quando os familiares acorreram aos meios da comunicação para negar que pertenecessem às FARC e alguns vizinhos que receberam a mesma oferta, asseguraram que foram recrutados por desconhecidos, que se veio a saber serem informadores do exército, que lhes tinham oferecido interessantes ofertas de trabalho.

Pouco depois de saírem, eram assassinados. Entregaram-os a militares que prepararam a cena do crime para fazê-los passar por guerrilheiros. Os investigadores judiciais que procederam ao levanta-mento dos cadáveres confirmaram os acontecimentos.

Com aquilo ganhavam todos. A unidade militar, por cumprir objec-tivos, "positivos" para a carreira e licenças e os informadores, pela recompensa.

Mas não é o único caso que ensombrou os "êxitos" obtidos este ano pelo Exército e pela Polícia. A justiça tem abertos 400 casos e já adiantou que estão implicados 110 membros da força pública, embora os civis desaparecidos, que poderão ter tido a mesma sorte, ascendam ao milhar.

Convém esclarecer que esta purga surge só depois da ameaça da ONU de intervir neste "conflito" e coincide com a visita de Navi Pillay, a nova Alta Comissária para os Direitos Humanos da ONU, num momento em que a Colômbia tinha recebido novas acusações de crimes contra os direitos humanos, nomeadamente por parte da Amnistia Internacional.

Não foi também por acaso que a Alta Comissária escolheu aquele país Sul-Americano como destino da sua primeira visita desde que ocupa o cargo.

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D