Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

24
Dez08

Uma boa notícia, pelo Natal

salvoconduto

Acabaram-se os dias em que milhares de indígenas e camponeses bolivianos não podiam defender adequadamente os seus direitos, por não saberem ler nem escrever. Acabaram-se os tempos em que cada vez que para votar, ou dar o visto a um documento, o faziam através da impressão digital, porque não eram capazes de assinar. A Bolívia viveu na madrugada de domingo um dia histórico: o país foi declarado "território livre de analfabetismo" e converteu-se na terceira nação latino-americana que se proclama livre de analfabetos, depois de Cuba, em 1961, e da Venezuela, em 2005.

FOI RATIFICADO PELA UNESCO: num tempo recorde de três anos, os mesmos que Morales cumpre no poder, a Bolívia passou de um país com um elevado grau de analfabetismo a contar neste momento com menos de 4% de analfabetos. Este é o número que a Unesco estabelece para declarar alfabetizada qualquer nação.

Era o grande sonho de Evo Morales. "Quero ser presidente para acabar com o analfabetismo na Bolívia", disse-o a um jornalista, quando ainda era candidato a presidente.

A mãe de Evo foi analfabeta. O seu pai, semi-analfabeto, e vários dos seus familiares não sabiam ler nem escrever quando chegou ao poder. No mesmo dia da sua investidura, Morales anunciou que tinha acordado com Fidel Castro e Hugo Chavez o envio de centenas de voluntários, que deveriam cooperar com a Bolívia na luta contra o analfabetismo.

Tanto Cuba como Venezuela doaram as equipas necessárias para a formação, e o programa educativo se desenvolveu com financiamento conjunto venezolano-boliviano.

Em só dois anos e nove meses, 824.000 bolivianos, na sua maioria mulheres indígenas quechuas, aymaras e guaraníes, aprenderam a ler e a escrever com o método audiovisual cubano 'Eu sim posso', o mesmo método que Fidel Castro implementou anos antes na Venezuela. O programa 'Eu sim posso' recebeu duas menções honrosas por parte da  Unesco.

Os enviados de Castro e Chávez orientaram quase 50.000 educadores bolivianos. Cuba forneceu 30.000 televisores e vídeos para pôr em marcha o programa educativo. Muitas das comunidades indígenas nem sequer contavam com electricidade, e por isso a Venezuela instalou 8.350 painéis solares, para que os bolivianos pudessem seguir as aulas. Em alguns casos, os materiais educativos foram transportados por mulas, para comunidades indígenas muito isoladas. Mas apresentou-se outro problema: muitos dos alunos eram anciãos que não conseguiam ler o ecrã. Cuba voltou a socorrer, com 212.000 pares de óculos.

"Vivemos momentos maravilhosos", assim se exprimiam uma das voluntárias cubanas. Nunca me vou esquecer da emoção de uma anciã de 80 anos, que chorava e se abraçava a mim quando conseguiu escrever o seu nome".

Há histórias comovedoras, como a de outra anciã, de 92 anos, que chegava à escola depois de caminhar uma hora desde a sua aldeia, apoiada num cajado, e nunca faltou a uma aula, conta outra voluntária.

"Nunca mais nos vão enganar, nem aproveitar-se de nós", dizia Juliana Quispe, uma camponesa aymara de 56 anos, que até há pouco tempo dependia do filho de 7 anos. "Sem o meu filhito, que lia os papeis por mim, eu não podia ir a nenhum lado, eu envergonhava-me muito".

A este tipo de situações se referiu Evo Morales. "Jamais me vou esquecer, quando eu era dirigente sindical, de um companheiro que chegava às reuniões das federações com o filho de 10 anos, o menino tomava apontamentos e depois lia-os ao pai, ponto por ponto, o que tínhamos acordado. Nunca mais os nossos companheiros vão passar por este tipo de sofrimento".

À celebração estiveram presentes o presidente do Paraguai, Fernando Lugo, o vice-presidente do Conselho de Ministros de Cuba, José Ramon Fernandez, a ministra da Educação de Cuba, Enaelsa Velazquez, o ministro da Educação da Venezuela e representantes da Unesco e da Organização dos Estados Americanos, entre outros.

É por coisas como esta que eu não perco a esperança, mesmo quando no nosso país, em 2001, dez em cada cem portugueses eram ainda analfabetos, segundo dados do Censos 2001 apresentados pelo Instituto Nacional de Estatística. Segundo o mesmo organismo, entre 1991 e 2001, em dez anos, este índice apenas melhorou um por cento. Ao que parece as prioridades são "outras".

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D