Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Salvo-conduto

A erva daninha cresce todos os dias

A erva daninha cresce todos os dias

Salvo-conduto

13
Abr09

Buteflika sucede a Buteflika

salvoconduto

Decorreram a semana passada eleições na Argélia, Buteflika foi de novo eleito e com toda a certeza 15.000 desaparecidos continua-rão esquecidos.

No cemitério de El Alia, há 3.300 campas sem nome. Sobre as lápides, apenas um X. Nada se sabe daqueles que estão ali sepultados, como morreram, a qual das partes em confronto pertencia durante a guerra suja na Argélia. Ninguém sabe quem são, excepto o Estado, que cala, por medo que se apurem responsabilidades no seio militar, que continua a deter as rédeas do poder.

A Argélia do presidente Abdelaziz Buteflika, que acaba de ser eleito para o seu terceiro mandato, foi construída sobre o silêncio das vítimas desta guerra que deixou 200.000 cadáveres entre 1992 e 2002.

Vítimas como Nassera Dutour, Zubida Rebika ou Zineb Arribi. A todas elas, a temível Segurança Militar arrebatou-lhes um filho nos anos 90, quando bastava uma palavra para ser considerado terrorista. Sem ordem de prisão, sem porquês, os Nissan cinzentos chegavam, levavam homens e mulheres e, depois, o silêncio.

A Amine, o filho de Nassera, apanharam-no na rua quando tinha saído para comprar um bolo; ao filho e ao marido de Zubida Rebika levaram-nos em plena noite de casa em sapatilhas; ao filho de Zineb Arribi, Hocine, de 17 anos, também o sacaram da cama. À sua mãe disseram-lhe que o devolveriam num quarto de hora. Já passaram 15 anos.

As reclamações das famílias dos desaparecidos revelam a verdadeira natureza da política de reconciliação nacional, baseada na impunidade, promovida por Buteflika desde a sua chegada ao poder em 1999.

As denúncias contra as forças de segurança estão proibidas. Todos culpam o presidente de ter passado o cheque em branco da amnésia. Sob o pretexto de acabar com a violência mediante a amnistia dos terroristas arrependidos, Buteflika conseguiu que se aprovasse em referendo em 2005 a chamada Carta para a Paz e a Reconciliação Nacional.

Esta lei acolhe a amnistia mas também proíbe qualquer denúncia contra as forças de segurança e ameaça com penas de prisão por cinco anos a quem atente contra a sua "honra". O escritor argelino Bualem Samsan resume o clima que reina no seu país recordando aqueles que a cada dia "se cruzam com os seus torturadores e têm que saudá-los ou baixar os olhos para não os "ferir", como estipula a lei de Reconciliação Nacional".

A comunidade internacional continua a acolher Buteflika como um par entre os seus pares, até porque os ditadores estão na América Latina...


Fonte: El País

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D